Jabuti

São vertebrados répteis (classe Reptilia), subclasse Anapsida, ordem Testudines (ou Chelonia). A maioria das tartarugas que encontramos em nosso meio são da subordem Cryptodira, onde as espécies deste grupo retraem a cabeça para dentro do casco, enquanto que na outra subordem (os Pleurodira) os indivíduos retraem o pescoço lateralmente. Duas espécies são mais comuns de serem encontradas: o Testudo sp. (fam. Testudinidae), também conhecido como jabuti e que muitos criam em suas casas e o Trachemys sp. (fam. Emydidae), muitos o chamam de tartaruga-tigre ou tartaruga-japonesa é também é muito criada em aquários). Estes répteis se caracterizam por apresentar o corpo encerrado em um casco composto de duas partes: uma dorsal (a carapaça) e a ventral (o plastrão). Este casco é formado por ossos cobertos por placas córneas, denominadas escudos. O corpo apresenta-se coberto por um tegumento coriáceo. As únicas partes moles que o animal apresenta são os tecidos presentes entre os membros, no caso nas aberturas anterior e posterior. Não apresentam dentes, mas uma placa cornificada utilizada para arrancar algas ou macerar presas.
O tamanho destes animais pode variar conforme a espécie, sendo que há alguns que podem chegar a até mais de 2 metros como a tartaruga marinha do gênero Dermochelys (tartaruga-de-couro). Poucas adaptações evolutivas se sucederam nestes répteis, demonstrando seu grande sucesso evolutivo. Esse sucesso evolutivo se deve a presença da carapaça, onde se escondem e com as vértebras fundidas na mesma o que confere uma resistência a mais para a coluna.
Podem ser encontradas em quase todo o mundo. Não há uma distinção certa para o hábito noturno ou diurno, esta característica varia conforme a espécie. Há espécies de hábito essencialmente marinho (saindo da água apenas para desovar) e outras apenas terrestres. As espécies marinhas apresentam as pernas em forma de remos.
Alimentam-se basicamente de vegetais, sendo essencialmente herbívoros. Há algumas espécies marinhas e de água doce que se alimentam de peixes e outros invertebrados aquáticos, como os moluscos (ostras e caramujos). Algumas podem mergulhar a profundidades de até 1200 metros como a tartaruga-de-couro para procurar seu alimento (águas-vivas).
Muitas tartarugas emitem sons durante o acasalamento. A tartaruga terrestre Testudo emite um som similar a um ronco enquanto se acasala. Nesta espécie está presente também um dimorfismo sexual muito característico. A fêmea apresenta o plastrão achatado enquanto que o do macho é côncavo. Todas as tartarugas são ovíparas e o período de encubação é de aproximadamente de 40 a 60 dias. A determinação do sexo se dá enquanto o ovo está no período de incubação, ou seja, depois que a mãe botou o ovo. Quem determina o sexo é a temperatura. As temperaturas baixas durante a incubação produzem machos, enquanto temperaturas altas produzem fêmeas. A mudança de um sexo para outro é de apenas 3 a 4ºC e neste intervalo nascem machos e fêmeas em proporções iguais. O crescimento destes animais é indeterminado, podendo estes crescerem até o último dia de vida, mas é claro que a taxa de crescimento é muito maior nas primeiras fases do desenvolvimento. A maturidade sexual requer um período muito longo e os machos apresentam uma maturidade maior conforme vão ficando mais velhos, sendo que morrem em seu auge, diferente dos mamíferos onde o auge ocorre na metade do período de vida e depois começa a decair.
A preservação destes animais se faz necessária devido a esse longo período de maturidade sexual e a baixa (mas longa) taxa de crescimento. Muitas pessoas no mundo ainda apreciam muito a sopa de tartaruga e o omelete dos ovos desta. Tentativas de salvar da extinção as tartarugas marinhas se fazem no mundo inteiro. Mas o problema reside no fato das técnicas de preservação serem muitas vezes ineficientes. A poluição dos mares também contribui para aumentar a taxa de mortalidade destes répteis. Muitos acabam morrendo de indigestão por consumirem sacos plásticos pensando ser águas-vivas.

Tartaruga Marinha

As tartarugas marinhas são vertebrados da ordem dos répteis, pertencentes ao grupo dos quelônios. Possuem caracteristicamente o corpo coberto por escamas e uma carapaça óssea a qual funde-se à coluna vertebral.
O grupo dos quelônios marinhos tem uma origem muito antiga e não apresenta modificações biológicas significativas nos últimos cento e oitenta milhões de anos. Portanto, os ancestrais das tartarugas marinhas atuais são contemporâneos dos dinossauros que, por motivos ainda não muito claros, foram extintos da face da Terra.
As tartarugas marinhas têm um corpo bastante adaptado para a vida no mar, onde as principais características são o desenvolvimento de uma forma hidrodinâmica do corpo, o qual é comprimido dorso-ventralmente; patas dianteiras e traseiras transformadas em remos, permitindo uma natação eficiente; excreção do excesso de sal ingerido com a água do mar e alimento através de glândulas especiais situadas na cabeça, os quais se abrem nas narinas.
A respiração é feita por pulmões e por isso, após cada mergulho (o qual pode ser bastante longo) as tartarugas necessitam vir à tona para respirar. Sabe-se que, por causa desta necessidade, centenas de tartarugas morrem todos os anos asfixiadas,presas a redes de pescadores em todo o mundo.
São animais ovíparos, botam seus ovos em terra, na areia das praias, fora do alcance das marés. A maturidade sexual ocorre em torno dos 15 anos de vida. Fêmeas são fecundadas pelos machos nas águas próximas à costa e a liberação dos ovos é escalonada, com uma média total de 400 a 500 ovos postos por estação, durante os meses de verão. No Brasil, desovam de novembro a março, e regiões como Praia dos Tamoios (Espírito Santo), Santa Isabel (Alagoas), Fernando de Noronha e Lençóis Maranhenses (Maranhão) são consideradas primordiais para a manutenção das espécies que ocorrem na nossa costa. De todos os ovos postos, um máximo de 10 % sobreviverão à ação predatória de peixes, aves, caranguejos, mamíferos, inclusive do próprio homem, e chegarão à idade adulta.
A maioria das tartarugas marinhas é carnívora, alimentando-se de invertebrados e peixes. A tartaruga verde, quando adulta é essencialmente herbívora, mas consome animais e algas quando na fase imatura.
Algumas espécies de tartarugas marinhas podem ter grandes dimensões quando adultas, atingindo até mais de 800 Kg, como no caso da Tartaruga de Couro, ou 350 Kg (Tartaruga Verde)

As espécies de tartarugas presentes nos oceanos são 7, sendo que 5 delas ocorrem em águas brasileiras:

- Tartaruga verde - Quelonia mydas
- Tartaruga olivácea - Lepidochelys olivacea
- Tartaruga de pente - Eretmochelys imbricata
- Tartaruga careta - Caretta caretta
- Tartaruga de couro - Dermochelys coriacea

| voltar |