Projeto Manhattan

Às 05:29:45 de 16 de julho de 1945, os Estados Unidos explodiram a primeira bomba atômica da história, conhecida como "Gadget". Este foi o objetivo atingido pelo "Projeto Manhattan", desenvolver e construir armas nucleares. Julius Oppenheimer dirigia um grupo de cientistas americanos e de refugiados europeus em Los Alamos, Novo México. Na ocasião, Oppenheimer citou um trecho do Bhagavad-Gita, quando Vishnu tenta convencer o príncipe a cumprir seu dever e para isto toma sua forma de muitos braços: "Agora, tornei-me a morte, o destruidor dos mundos."




Julius Oppenheimer, que dirigia o projeto e selecionou os cientistas, disse mais: "Esperamos até que a explosão passasse, saímos do abrigo e depois era tudo muito solene. Sabíamos que o mundo nunca mais seria o mesmo. Alguns riram, outros choraram. Muitos permaneceram calados."

A bomba de Alamogordo era composta de duas pequenas bolas de plutônio, recobertas por níquel e em cujo centro estava um núcleo de berílio e urânio. O teste seria no dia 4 de julho, mas os preparativos finais que incluíam a montagem do núcleo de plutônio só terminaram no dia 12 de julho.


A explosão experimental aconteceu no meio do deserto do Novo México, a cerca de 100 km da cidade de Alamogordo. A região era habitada apenas por formigas e escorpiões.

Os cientistas estavam a 32 km. Câmeras e instrumentos de medição, ligados por 800 km de cabos, foram colocados à distâncias de 9 a 18 km do ponto da explosão.



A explosão de Alamogordo foi o auge do mais ambicioso projeto norte-americano durante a Segunda Guerra, o Projeto Manhattan, assim chamado por estar ligado ao Distrito de Engenharia de Manhattan do US Army Corps of Engineers e porque boa parte da pesquisa inicial foi realizada em Nova York

A Corrida pelo Domínio


Foi Einstein quem, ainda no começo da Segunda Guerra (1939), escreveu uma carta ao então presidente Franklin Roosevelt sugerindo que os EUA fabricasse a bomba antes que a Alemanha nazista o fizesse, mencionando que os alemães estavam tentando purificar o U235. Logo depois, 12.10.39, os Estados Unidos empreendeu um projeto de mais de 6 anos que consumiu US$1,8 bilhões (agosto de 1945/valor atualizado após 50 anos - US$20 bilhões)e 150 mil pessoas envolvidas. 

A comandar o projeto estava o General Leslie Groves, do Army Corps of Engineers. O processo mais importante, no entanto, acontecia na Universidade de Chicago, em Stagg Field, que culminou com uma reação controlada por Enrico Fermi.


Antes de mais nada, teriam que desenvolver o programa de enriquecimento de urânio para depois confeccionarem um artefato militar. O local para este processo baseado em difusão gasosa foi Oak Ridge, no Tennessee, que utilizava a energia elétrica da TVA (Tennessee Valley Authority). Daí em diante, foram 27 meses até o teste. Muito menos que os 4 anos avaliados inicialmente.
 
Em Hanford, Estado de Washington, foi produzido a carga necessária de plutônio. A procura por um local apropriado de teste começou em maio de 1944. Para o teste era necessário um lugar plano, isolado e com bom clima. Não apenas cientistas, mas mulheres e crianças passaram a viver ali.


Tal local deveria estar à distância razoável de Los Alamos. Oito lugares em quatro estados do oeste foram visitados. Um deles era o Vale de Jornada del Muerto. Ficava dentro da área da base de Alamogordo no Novo México, sob controle do governo americano. Ao sul de Los Alamos, uma área foi escolhida e denominada secretamente de Trinity.


A casa do rancho de George McDonald foi reformada para ser o laboratório de campo. Uma torre pré-fabricada de aço foi levantada no ponto zero do campo de Trinity. No caso das bombas lançadas sobre o Japão, ventos de 644 a 965 km/h e poeira são sugados para cima criando uma nuvem em forma de cogumelo, espalhando material radioativo.


Para acionar a bomba, haviam explosivos e 32 detonadores. A primeira bomba atômica tinha uma potência de 18,6 toneladas de TNT. 

A torre de 30 m de altura desapareceu sob o efeito da explosão; uma cratera de 400 m de diâmetro foi aberta. Dentro dela, surgiu um material verde e transparente, resultado da fundição dos minerais. A substância foi chamada trinitita, em referência ao ponto do deserto onde ocorreu a explosão.

 

Muitos cientistas após o teste em Trinity firmaram um abaixo-assinado pedindo o engavetamento do projeto, como Niels Bohr, Joseph Rotblat. Einstein se retirou do projeto dizendo se opor ao uso bélico da energia nuclear.

Várias empresas privadas estiveram envolvidas no desenvolvimento desta tecnologia e a saúde de trabalhadores e o meio-ambiente não estavam entre as prioridades.



Em 1944, quando os aliados já haviam tomado a maioria dos territórios ocupados pelos nazistas, descobriram-se documentos que mostravam que os alemães tentaram realmente construir a bomba, mas tomaram o rumo errado em suas pesquisas.

Três horas após o teste no deserto, o navio Indianapolis deixou o porto de San Francisco com destino ao arquipélago das Marianas, carregando outro exemplar da bomba. O secretário da Guerra, Henry Stimson vai ao encontro de Truman e seu secretário de Estado James Byrnes que estavam em Potsdam para reunirem-se com Churchill e Stalin.

Stimson comunica o feito obtido e busca o uso diplomático da bomba, enquanto Byrnes prefere o lançamento da bomba para desestimular os russos e obter a rendição incondicional dos japoneses.

Quando a bomba dos EUA foi testada, a Segunda Guerra já estava encerrada na Europa, e o conflito se restringia ao Pacífico (os EUA contra o Japão). O campo de provas foi transferido do deserto do Novo México para o arquipélago do Japão com a autorização do presidente Harry Truman, sucessor de Roosevelt, em 24 de julho de 1945. (Declaração oficial do Governo americano)

Assim, o mundo tomou conhecimento de uma nova arma originada nos laboratórios de pesquisa nuclear, que abriu caminho para outras pesquisas.

"Little Boy" foi lançada sobre Hiroshima (06.08.45) e "Fat Man" em Nagasaki (09.08.45).

Fat Man