Estrutura e Funcionamento do Microscópio
 

I- O microscópio é um aparelho destinado a ampliar a imagem das microestruturas observadas, utilizando para isso, a luz. Ele é composto pelas seguintes partes:
1- Base ou Pé - dá ao instrumento boa estabilidade e é usado para o repouso da aparelho na mesa de trabalho.

2- Braço - Sustenta a parte óptica (lentes) e serve para o transporte do aparelho.

3 - Tubo ou Canhão - contém em uma das extremidades a ocular e na outra, o revólver que é uma peça giratória a qual se prendem as lentes objetivas .

4 - Platina - sobre esta peça colocamos a lâmina que será observada, exatamente sôbre uma abertura central que daá passagem aos raios de luz.

5- Charriot - serve para deslizar a lâmina sôbre a platina, para a direita, esquerda, para cima e para baixo.

6- Parafuso macro e micrométrico - Ajustam o foco durante o trabalho de observação.

7 - Revólver - local onde estão inseridas as objetivas.

8- Objetivas- Conjunto de lentes que ampliam a imagem. Estão presas no revólver, que ao ser girado, muda a objetiva e consequentemente o aumento na focalização. Cada objetiva tem o aumento gravado em sua lateral. e o seu poder de resolução.

9 - Ocular - Conjunto de lentes através das quais observamos o material focalizado. A imagem é virtual, ampliada e direta.
10 - Condensador - Situado embaixo da platina, tem por função , concentrar os feixes luminosos.

 

II - AUMENTO

Para calcular o valor da ampliação total fornecida por cada objetiva, basta multiplicar o valor da ocular pelo valor da objetiva centralizada. EX:- Se a ocular estiver marcando 10 x e a objetiva centralizada 40 x , o aumento total será : 10 x 40 = 400 x
III- Por que as imagens ficam invertidas quando olhadas em um microscópio?

Muitas vezes, ao tentar focalizar um objeto no microscópio, nos atrapalhamos, quando queremos levar nosso campo de visão para um lado e ao direcioná-lo ele simplesmente vai para o outro, e algumas vezes, acabamos perdendo o objeto. Mas, por que isso acontece? Pense bem: tudo o que você faz no microscópio acontece ao contrário. Então... a imagem também só pode estar de cabeça para baixo e invertida ! E isso acontece devido ao conjunto de lentes usadas para aumentar as imagens.

Devido à curvatura das faces de uma lente, os raios de luz que incidem nela são refratados em diferentes ângulos. Deste modo, um conjunto de raios paralelos podem convergir, para um mesmo ponto, ou divergir, para diversas partes de um único ponto. Este ponto é chamado de ponto focal de uma lente. Se uma lente faz os raios convergirem, então forma-se uma imagem real (lente convergente). Uma imagem real é fotografável, ou visível em uma tela. É uma imagem "de cabeça para baixo", e é a usada nos microscópios, devido à sua vantagem sobre as lentes divergentes, quanto à qualidade de imagens formadas. As lentes divergentes são aquelas que fazem os raios de luz divergirem, formando uma imagem virtual. Desta maneira a imagem só é visível se olharmos para a lente. A imagem formada é distorcida, e o comprimento focal depende da distância das lentes entre o centro focal e dependendo da distância da lente para o objeto. Devido à má qualidade das imagens formadas, não são muito usadas na microscopia.

Lentes côncavas (lentes que são mais estreitas no centro do que nas extremidades) fazem os raios divergirem, produzindo apenas imagens virtuais. A imagem é formada no mesmo lado da lente igualmente o objeto, é perpendicular e sempre diminuída, menor que o objeto real. O tamanho da imagem é controlado pela distância do objeto às lentes: quanto mais próximo das lentes, maior a imagem.

As lentes convexas são mais largas no meio que nas extremidades. Quando um objeto é colocado fora do comprimento focal, de uma lente convexa, a lente desvia os raios de luz do objeto e eles se convergem, formando uma imagem real do lado oposto ao da lente. Se o objeto é colocado dentro do comprimento focal da lente, de qualquer modo, a imagem é aumentada. É formada atrás do objeto, do mesmo lado das lentes. Geralmente, nesse caso, quanto mais perto estiver da lente, menos a imagem é aumentada. Por isso são mais empregadas nos microscópios.

Técnica de Focalização do Microscópio

1-Coloque a lâmina com o material a ser observado centralizada sôbre o orifício da platina.
2- Ajuste a luminosidade através do botão que está no pé do mucroscópio ou como em alguns casos no botão situado bem abaixo no braço. Para a focalização inicial não será necessário utilizar o máximo da iluminação. Este ajuste deverá ser realizado cada vez que você mudar de objetiva.

3- Olhando através da ocular do microscópio, e com a ojetiva de menor aumento centralizada, aproxime a platina desta objetiva, até o máximo determinado pelo fabricante do aparelho., com a juda do botão macrométrico. Este limite significa que o foco não está muito longe. O fabricante geralmente deixa a "trava" do botão macrométrico na posição correta do foco do material a ser analisado, com milímetros de diferença para a focalização perfeita , considerando uma mínima alteração na espessura das lâminas de diferentes fabricantes , como também o poder de visão do observador.

4- Dependendo do material que você esta observando, conforme o tamanho, espécie ou estado do mesmo, voce sómente reconhecerá que chegou no campo correto de focalização , fazendo uma pequena pressão sobre a lamínula com a ponta de um lápis por exemplo, mas essa prática é válida apenas quando o material não está fixado na lâmina, porque neste segundo caso, você deverá com ajuda do charriot, deslizar a lâmina sobre a platina delicadamente ( sem tirar os olhos da ocular ),de modo que voce perceba o material se movendo, e que não é portanto, nenhuma sugeira "grudada" na lente das objeticas ou das oculares que voce esta observando e confundindo. Caso voce não consiga encontrar o foco, verifique se voce não colocou a lâmina ao contrário ( "de cabeça para baixo" ) . Isso é muito comum acontecer quando o material está fixado na lâmina e sem a lamínula. Voce poderá também, tentar ajustar a luminosidade , aumentando ou diminuindo, dependendo do caso.

5- Uma vez ajustado o foco, com a ajuda do botão micrométrico, e com a melhor nitidez possível, que você conseguir neste menor aumento, gire o revólver do microscópio e centralize a objetica do aumento imediatamente seguinte.( seguir sempre a ordem do aumento das objetivas, sem "pular" nenhuma delas ). O foco deverá estar quase que perfeito, necessitando apenas de um leve ajuste para a nitidez da imagem e um novo ajuste na iluminação . Se nesta mudança de objetiva, voce perdeu o foco, volte para o menor aumento e focalize novamente . Caso voce não tenha perdido o foco, mas não está encontrando a parte do material que voce quer analisar, volte para o aumento anterior e centralize ( o melhor que você puder ) essa parte, antes de mudar de objetiva. Voce nunca poderá esquecer esse procedimento , uma vez que a cada troca de objetiva é a região central do foco que será ampliada..

6- Seguir o mesmo roteiro para as demais objeticas.

| voltar |